segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A Chama










(Gradiva - Aquela que anda graciosamente...)

A luz da candeia no espelho cresce

A alma atenta na mesma se aquece
Junto à cera que cai na base
O tempo gentilmente envelhece

Aquilo que fomos,
Volta a ser num lampejo breve
Ansía muda à qual o coração cede

O xaile breve e enrugado
Recorda um momento
Algures olvidado

É secreto o caminho dos amantes
Que a memória do teu olhar nocturno
Convida a trilhar

Sem comentários:

Enviar um comentário